sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

MILAGRE!

O anjo do SENHOR acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra
(Salmo 34:7).


Há um sentimento crescente de que milagres não acontecem mais, e como consequência, a oração é inútil.  O seguinte incidente mostra a importância da oração como testemunho do poder de Deus para libertar e responder orações. Ele nos foi relatado por um oficial cristão aquartelado em uma zona de guerra e é uma das muitas maravilhas que o Senhor fez por ele e seu pelotão.

"Durante uma ferrenha batalha contra o inimigo, a artilharia e o apoio aéreo foram convocados para nos ajudar. Um dos pilotos confundiu nosso pelotão com o adversário e jogou uma poderosa bomba sobre nós. O oficial responsável pelas comunicações e eu estávamos em uma pequena trincheira a 30 metros do ponto de impacto; nosso subcomandante estava a 15 metros sem qualquer proteção enquanto outros do meu pelotão estavam ainda mais próximos, a 5 metros de distância!  Ninguém ficou seriamente ferido. Pelo menos metade do pelotão deveria ter morrido, mas não houve nenhuma baixa!"

"Este ataque ficou gravado na câmera do avião. No vídeo podemos ver a sombra da figura de um homem dentro da explosão. Vimos esta gravação várias e várias vezes, pois sabíamos que a forma não era de nenhum homem do pelotão e que não havia qualquer outra tropa na área naquele dia! Portanto, quem seria?"

"Esse evento me deu uma oportunidade ímpar de chamar a atenção do meu pelotão para o maravilhoso cuidado e misericórdia do Senhor. Citei o versículo acima e lhes contei que havia muitas pessoas orando por eles todos os dias."

Oremos pelas pessoas que estão em situações de risco para que Deus as liberte do perigo e as salve por meio da fé no Senhor Jesus Cristo. Milagres ainda estão à nossa disposição, pois o nosso Deus é o Deus que ouve as orações (Salmo 65:2).

DIFÍCIL MESMO É NÃO CRER

Pela altivez do seu rosto o ímpio não busca a Deus; todas as suas cogitações são que não há Deus
(Salmo 10:4).


Uma das objeções mais comuns que ouvimos quando evangelizamos é: "eu sou ateu". Tal pessoa não quer ter nenhum envolvimento com Deus e nega sua existência. Certa vez encontrei um casal e quando fui entregar um folheto para a senhora, ela me disse que era atéia, e recusou meu folheto. Minha resposta escapuliu: "Não, a senhora não é. A senhora apenas não quer acreditar em Deus". Para minha surpresa, ela concordou: "Você está certo. Eu não quero!". Pelo menos, aquela mulher foi honesta. Seu coração endurecido não permitia com que ela aceitasse a existência do Deus vivo. Tal atitude é loucura, porque haverá um tempo em que todos, quer creiam ou não, terão de se apresentar diante de Deus. A Bíblia já relata essa estupidez: "Disse o néscio no seu coração: Não há Deus" (Salmo 14:1).

As maravilhas da criação são tremendas testemunhas da glória do Criador. O céu estrelado, a magnitude do universo, a diversidade da natureza, as grandes e as mínimas criaturas ? tudo isso são manifestações de Deus que não podem ser ignoradas.

Mas Deus se revelou de uma maneira infinitamente mais maravilhosa: Seu Filho, o Senhor Jesus Cristo. Ao observarmos sua vida, sua obra, sua cruz, seu poder e ressurreição, nossa recusa em crer no infinito amor de Deus se torna algo cada vez mais ridículo. Como desprezar tudo isso?

PRÍNCIPE DE TODOS, MENOS DE UM!

Se aproxima o príncipe deste mundo, e nada tem em mim; mas é para que o mundo saiba que eu amo o Pai, e que faço como o Pai me mandou
(João 14:30-31).


Quando o pecado entrou no mundo, Deus usou várias maneiras para testar e convencer a humanidade de seu estado de perdição e pecaminosidade. Consequentemente, de tempos em tempos torna-se evidente que o mundo é incapaz de se conformar aos padrões de Deus. Por fim, Deus utilizou seu recurso mais sublime, enviando seu Filho para revelar sua verdadeira natureza ao coração humano. Mas a presença do Senhor Jesus no mundo em todo amor e graça apenas despertou a inimizade e o ódio dos homens. Isso é uma prova definitiva que todos estão sob o poder de Satanás, o qual é o príncipe deste mundo. Até este momento, ele jamais tinha sido chamado assim, mas quando as pessoas rejeitaram o Salvador do mundo, então Satanás recebeu este título horroroso.

Houve apenas Um que não esteve nem por um segundo sob o poder de Satanás, apenas Um que mesmo sendo Homem não havia nada nele que Satanás pudesse reivindicar. Nem em sua Pessoa nem em sua vida houve coisa alguma que desse ao inimigo ocasião para acusá-Lo. É por isso que "em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos" (Atos 4:12).

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

FATOS EXCLUSIVOS DO PERÍODO CRISTÃO

Porque o mesmo Senhor descerá do céu? e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor
(1 Tessalonicenses 4:16-17).

As bênçãos da cruz não estão confinadas ao presente período. Cada santo de cada era, passada, presente ou futura, encontra na cruz a base de toda bênção. Tampouco a segunda vinda de Cristo está restrita aos santos deste presente período. Esse grande evento afetará todos os santos de todas as dispensações.

Mas dois grandes importantes fatos intermediários dão ao cristianismo seu caráter único e diferencia o período cristão de todos os que vieram antes e virão depois. Nunca antes da história humana se pôde afirmar que há um Homem na glória e uma Pessoa divina no mundo, e jamais isso será verdade novamente. Esses fatos pertencem exclusivamente ao período cristão, e sobre eles a Igreja está estabelecida e por eles a Igreja é sustentada. A Igreja não podia ser formada até que Cristo fosse glorificado, exaltado como Cabeça, e o Espírito Santo viesse para batizar os redimidos em um só Corpo. Em seu caminho por este mundo, a Igreja é mantida por Cristo na glória e pelo Espírito Santo na terra. Até mesmo seu último passo nessa jornada terrena rumo à casa do Pai será dado em resposta à voz do Homem na glória e pelo poder vivificador do Espírito Santo (1 Tessalonicenses 4:16; Romanos 8:11).
 
Se essas são marcas distintivas do período cristão, não é de se estranhar que ambos se tornem alvos de incessantes ataques do inimigo. O diabo sabe muito bem que se ele puder evitar que nos tornemos santos de acordo com propósito de Deus para o presente momento, ele será bem-sucedido em nos roubar cada pensamento profundo sobre Cristo e a Igreja.

UM PROPÓSITO SÓ SEU

Tu espera agora, e te farei ouvir a palavra de Deus
(1 Samuel 9:27).

Da primeira coisa pela manhã à última à noite, a rotina diária impede muitas pessoas de descansar. O mundo moderno exige reações rápidas. Há também pressões internas e externas incríveis para se obter mais dinheiro. Será que isso é o sentido da vida? Para onde tudo isso leva?

Momentos de contemplação são necessários para todos. Descobrir o propósito de nossa existência é tão importante porque é uma questão que vai além desta vida, incluindo o que acontece após a morte. Perceber isso é constrangedor para muitas pessoas. Além disso, as pessoas se refugiam em várias e tantas distrações e prazeres que competem contra os clamores divinos ? e em geral ganham. Isso nos mantém longe de Deus.

Cada um de nós tem de perguntar ao Criador qual o propósito pelo qual ele nos criou. E é preciso esperar até obter a resposta, vinda muitas vezes da Palavra de Deus. "Nele, digo, em quem também fomos feitos herança, havendo sido predestinados, conforme o propósito daquele que faz todas as coisas" (Efésios 1:11). "o Senhor fez todas as coisas para atender aos seus próprios desígnios" (Provérbios 16:4).

Deus criou todas as coisas, todas as pessoas para cumprirem um desígnio que está em seu coração. Nós temos o privilégio de ouvirmos sua Palavra e sabermos o motivo eterno pelo qual ele nos criou individualmente. Busque, espere, ouça e obedeça.

DOIS ASPECTOS DA CRUZ

A este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, prendestes, crucificastes e matastes pelas mãos de injustos
(Atos 2:23).

A cruz e o Salvador que morreu ali são os temas do versículo acima. E este é o ponto central da história humana. O que aconteceu na cruz é visto aqui de duas formas diferentes, sucintamente expressas.

A primeira consideração é: Deus quis assim, e o que houve foi de acordo com Sua providência. A morte de Seu Filho na cruz é o centro do plano divino. Por causa da morte expiatória do Senhor Jesus, as pessoas agora podem ser salvas da destruição eterna, e um dia o plano de Deus terá sua plena realização em glória, pois Cristo foi "entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus".

Mas o segundo aspecto é igualmente verdadeiro: "[Vós O] prendestes, crucificastes e matastes". Por amor Deus deu seu Filho por nós, mas os homens o mataram por ódio. Por isso são responsáveis.
ele foi crucificado. A crucificação expressa toda a zombaria dos homens em relação à Sua glória, pois o condenado à morte era o "Príncipe da vida" (Atos 3:15).

Se os que ouviram a pregação de Pedro quisessem ser salvos, então tinham de reconhecer que haviam crucificado o Messias de Israel. Se hoje desejarmos a salvação, temos de confessar nossa culpa também, porque nossos pecados causaram morte do Senhor Jesus.

Não podemos entender o amor de Deus para com Seus inimigos, que o moveu a entregar Seu Filho! Mas pela fé podemos aceitar este inestimável Presente e louvá-Lo.

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 2 REIS (Leia 2 Reis 15:1-22)

A sua destruição virá repentinamente; subitamente será quebrantado, sem que haja cura
 (Provérbios 6:15).


Azarias, ou Uzias, sobre quem 2 Crônicas 26 nos dá mais informações, termina seu reinado de cinqüenta e dois anos de maneira muito triste. Ele começou a carreira bem. Assim havia sido com seu pai e avô. Lembremos que um bom início na vida cristã não nos garante um final feliz. Jamais confiemos em nossa fidelidade passada ou presente, mas no Senhor, o único capaz de nos guardar da queda (Judas 24).

Durante a longa vida de Azarias, Zacarias, o quarto e último descendente de Jeú, depois Salum, Menaém, Pecaías e Peca, um de cada vez, ocuparam o trono de Israel. O triste refrão que resume esses sucessivos reinados é "Fez o que era mau perante o SENHOR; não se apartou dos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez pecar a Israel". Não importa o que a história do mundo registra sobre eles; o que conta de fato acerca da vida de uma pessoa, incluindo a minha e a sua, são os registros divinos. "Eles estabeleceram reis, mas não da minha parte" (Oséias 8:4). É terrível ver no final desse período da história de Israel como o Senhor, cansado de tamanha infidelidade, deixa Seu povo à própria sorte (Oséias 4:17).

REINO INVISÍVEL MAS REAL

Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.
Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita; para que a tua esmola seja dada em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, ele mesmo te recompensará
(Mateus 5:16; 6:3-4).


Quando Jesus Cristo começou seu ministério público, ele pregou o "reino" que os judeus aguardavam e do qual ele mesmo era o Rei. Mas como seu reino era de uma natureza secreta, diferente, celestial, e não terrena como queriam, logo a maioria do povo o rejeitou. O reino só seria reconhecido por aqueles que cressem em Cristo.

Este é a característica do reino de Deus hoje também. Quem vive no reino de Deus sabe que "quanto ao Senhor, seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é perfeito para com ele" (2 Crônicas 16:9). Haverá um tempo em que o reino será fisicamente evidente a todas as nações, mas até que isso aconteça, seus cidadãos são responsáveis por manifestar as glórias do Rei perante o mundo. Eles têm de refletir aqui a luz do reino, as obras do reino, as leis do reino, as virtudes do reino que, apesar de invisível, é bem real.

O primeiro requisito para se entrar nele é o arrependimento. Quem deseja ter um relacionamento com Deus tem de se arrepender de sua rebelião inata para com ele e de seus pecados. Além disso, tem de se render completamente ao senhorio de Cristo, que irá se apossar de cada área da vida de seus 'súditos'. E se render ao Rei é a maior honra e recompensa que um ser humano pode receber na vida!