domingo, 17 de agosto de 2014

O ESPÍRITO SANTO HABITA NOS QUE CRÊEM

Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa
(Efésios 1:13).


Depois da ascensão do Senhor Jesus, o Espírito Santo veio ao mundo para habitar nos crentes. Isso é uma característica singular da época cristã em que vivemos. O próprio Senhor anunciou este fato, e Sua promessa se cumpriu em Pentecostes.

Desde então, quando alguém crê no evangelho da salvação recebe no mesmo instante o Espírito Santo como selo de Deus à sua fé. O Espírito Santo se une ao crente de maneira extraordinária e total.

Ao receber o Espírito Santo, o recém-nascido filho de Deus não tem que esperar que aconteçam sinais ou milagres. O primeiro efeito da presença do Espírito Santo é que ficamos conscientes da nossa filiação divina: "O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus" (Romanos 8:16). Por meio do Espírito, nós nos dirigimos confiantemente ao Deus Todo-poderoso como nosso Pai. Sentir conscientemente a relação de confiança que temos para com Deus é uma prova da presença do Espírito Santo em nós.

Nosso corpo é agora o templo do Espírito Santo que mora em nós, o qual quer nos conduzir ao total senhorio de Cristo em todas as nossas ações e motivações. Ele é nosso Guia, "porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus" (Romanos 8:14).

O Espírito também nos ensina e esclarece: "O Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade" (João 16:13).

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 2 REIS (Leia 2 Reis 3:1-15)

Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque que sociedade tem a justiça com a injustiça?
(2 Coríntios 6:14).


Jorão, irmão de Acazias, se torna rei de Israel. Embora também faça o que é mau aos olhos do Senhor, algumas melhorias são notadas em comparação à conduta dos seus pais. Ele oficialmente rejeita a adoração a Baal.

O primeiro versículo deste livro já mencionava a rebelião de Moabe. Essa é a ocasião para Jorão preparar uma ofensiva contra os moabitas, contando com o apoio de seus mais chegados aliados: o rei de Judá e o rei de Edom. Infelizmente, Josafá não aprendeu a lição de Ramote-Gileade. Ele deu a Jorão a mesma resposta que dera a Acabe (v. 7; 1 Reis 22:4).

A expedição chega à beira do desastre. Jorão culpa o Senhor, embora ele mesmo tenha sido o responsável por toda a situação. Muitas pessoas agem assim também. Em vez de se arrependerem, elas acusam Deus pelas dificuldades que enfrentam. Nesse ponto, Josafá finalmente se preocupa com a Palavra do Senhor. Eliseu está inconformado diante dos três reis, associados de maneira tão errada. Isso nos remete ao jugo desigual com os incrédulos contra o qual os cristãos são seriamente advertidos (2 Coríntios 6:14).

BERNARD PALISSY (1510-1590)

Meus irmãos, não vos maravilheis, se o mundo vos odeia.
Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida
(1 João 3:13; Apocalipse 2:10).



Ao custo de grandes dificuldades, este artista e sábio homem fez experimentos que culminaram na descoberta de tintas esmaltes muito originais, as quais contribuíram para sua fama. Sua vida como cristão fiel é pouco conhecida. Em 1546 ele conheceu o evangelho. Preso sob a acusação de heresia, foi libertado pela rainha, que o autorizou a abrir um ateliê para seus experimentos em uma das residências reais. Por outro lado, para colocá-lo a salvo das perseguições, o conde de Montmorency lhe outorgou o título de "inventor das rústicas estatuetas do rei".

Durante o histórico massacre de Saint-Barthélémy em 1572, Bernard conseguiu se refugiar fora de Paris, para onde voltou e foi preso em 1588, no calabouço da Bastilha. Certo dia, ao visitar os prisioneiros, o rei Henrique III lhe disse: - Se você não muda de religião, sou obrigado a deixá-lo nas mãos de seus inimigos. Com muita dignidade, Palissy respondeu que não permitiria que o obrigassem a negar sua fé. Dois anos mais tarde, um cidadão parisiense escreveu em seu diário: "Neste ano de 1590, morreu nos calabouços da Bastilha o mestre Bernard Palissy, prisioneiro por causa de sua religião, com a idade de 80 anos. Morreu por miséria e maus tratos".

Hoje o mundo honra o artista Palissy e sua obra; Deus honra o Seu filho fiel e o recompensou por sua fé. "Corramos com paciência a carreira que nos está proposta, olhando para Jesus, autor e consumador da fé" (Hebreus 12:1-2).

QUANDO VOCÊ QUISER APRESENTAR O EVANGELHO ÀS PESSOAS?

Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações
(Mateus 28:19).


Esta instrução se aplica a nós e se refere a todas as pessoas, até os mais ferrenhos opositores do evangelho, por exemplo, os muçulmanos. Como podemos nos aproximar dos muçulmanos com as boas novas da salvação?

Coisas que você tem que saber. Você tem de saber e crer com todo o seu coração que só há um meio de salvação, que é através da fé em Jesus Cristo, que morreu por nós e nos resgatou com o preço de Seu próprio sangue. E, a menos que nos rendamos ao senhorio de Cristo, pereceremos (Atos 4:12). Mas o Senhor não quer "que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se" (2 Pedro 3:9).

Coisas que você tem que fazer. 1) Você tem de desejar intensamente a salvação das pessoas, não importa a religião que professem; 2) Mantenha o foco: todos nós somos pecadores, e porque Deus nos ama com tal profundidade que enviou Cristo para nos trazer completo perdão e vida eterna; 3) Cite a Palavra de Deus, especialmente as passagens que nos falam sobre Cristo e Seu amor pelos seres humanos; e 4) Demonstrar um genuíno interesse pelas pessoas ? muitos são conduzidos ao Senhor pelo amor e serviço dos que testemunharam a eles.

Coisas que você não deve fazer. Nunca!
1. Jamais fale de maneira depreciativa sobre o islã, seus ensinos, seu livro sagrado, ou seu profeta;
2. Não se envolva em questões políticas.

Coisas que você deve fazer.
3. Sempre esclareça que Deus ama todos os seres humanos, Se importa com o sofrimento que passamos, e tem um propósito maravilhoso para cada um de nós;
4. Não fique com raiva ou desencorajado por qualquer coisa que for dita, mas seja sempre respeitoso e gentil.
Alguns pensam erroneamente que os muçulmanos sempre resistem ao evangelho, mas isso não é verdade. Muitos resistem à forma com a qual o evangelho é apresentado!

NOSSAS ORAÇÕES

Suba a minha oração perante a tua face como incenso, e as minhas mãos levantadas sejam como o sacrifício da tarde
(Salmo 141:2).


É um privilégio indescritível que nós, seres humanos, possamos orar ao Deus todo-poderoso e que Ele tenha interesse de nos atender. Alguém que recebe o perdão dos pecados, passa das trevas para a luz, se torna um filho de Deus pela fé no Senhor Jesus Cristo, imediatamente aprende a valorizar a oração. Então com toda liberdade pode dizer ao Seu Deus e Pai o que lhe incomoda ou alegra. Podemos apresentar-Lhe qualquer angústia, preocupação e temor. O crente sabe que no trono da graça pode obter misericórdia e achar socorro no tempo oportuno (Hebreus 4:16).

Quando oramos, a maior parte do tempo as nossas necessidades e as dos outros estão em primeiro plano. Vamos a Deus em oração porque sabemos que Ele tem todos os recursos para nos ajudar. Contudo, no versículo de hoje o salmista compara suas orações com o incenso. Seu desejo era que elas fossem um prazer para Deus. Dessa maneira, ele pensa primeiro em Deus, a quem ora, e não em seus próprios pedidos. Será que as minhas e as suas orações, leitor, são um prazer para o coração do Pai?

Orações que agradam a Deus partem de um coração que confia plenamente nEle. Nossas petições agradam a Deus quando Ele vê que cremos naquilo que disse, que confiamos em Suas palavras, e que não duvidamos dEle.

AMADOS ATÉ O FIM

Como havia amado os seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim
(João 13:1).


Duas palavras simples e comuns, "os Seus", falam muito alto. O coração humano sente uma peculiar alegria em ter algo que possa chamar de seu. Não é tanto o valor do objeto, mas a simples consciência de que aquilo é seu. Dessa maneira o Senhor fala conosco. Ele não Se ocupou Consigo mesmo, nem com o que pensamos dEle, mas com o valor que você tinha para Seu coração.

Você está preparado para este amor divino, que fala e age inteiramente por causa de sua fonte, o coração do Senhor, sem se preocupar com o que você costumava ser ou é? Ele morreu não somente pela compaixão de livrá-lo do inferno, mas por amor a você. Agora Ele lhe chama de "seu". Nunca encontraremos a razão de Ele nos amar, mas basta saber que somos amados. Basta apenas reconhecermos que somos Seus!

Ele nos ama "até o fim" ? até o fim de nosso caminho neste mundo! Ele conhece as falhas de nosso andar; Ele conhece a frieza, a infidelidade, e a corrupção de nosso coração, e mesmo assim nos ama até o fim. Será que existe amor como o do Senhor Jesus?

Ele Se deleita em nos ter ao Seu redor, desfrutando dessa comunhão. Ele morreu para que pudéssemos conhecer e experimentar Seu amor. E como negligenciamos tão facilmente o que custou ao Senhor Jesus um valor incalculável!

RELIGIOSOS E REBELDES

Fui buscado dos que não perguntavam por mim, fui achado daqueles que não me buscavam; a uma nação que não se chamava do meu nome eu disse: Eis-me aqui. Eis-me aqui.
(Isaías 65).


O cumprimento desta profecia de Isaías, que fala da aproximação dos gentios por parte do Senhor, pode ser vista nos primeiros capítulos de Atos. Apesar do Senhor Jesus ter sido elevado ao céu, ainda vemos Deus se demorando em Israel. Mas Sua presença já se afastava deles. Percebemos isso no discurso de Pedro: "Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos do refrigério pela presença do Senhor, e envie ele a Jesus Cristo, que já dantes vos foi pregado" (Atos 3:19-20).

O sermão de Pedro fala sobre o retorno de Cristo para a bênção de Israel, se os representantes da nação tivessem se arrependido, como o farão quando Ele voltar (Zacarias 12:12-13). Por fim, quando a rebelião foi total e completa, Paulo e Barnabé proferiram a sentença fatal: "Era mister que a vós se vos pregasse primeiro a palavra de Deus; mas, visto que a rejeitais, e não vos julgais dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios" (Atos 13:46). A partir daí, a história da Israel como nação se encerrou por um tempo (Oséias 3:4-5).

Aquela geração tinha "religião" sem arrependimento nem confissão, e aquela geração foi extinta! Vemos esse espírito de religiosidade atuando ainda hoje. "Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte" (Provérbios 14:12). O caminho da religião parece direito, e cada pessoa escolhe aquela que mais lhe convém; porém, o fim de todas elas é a morte.

Sem arrependimento e conversão ao Filho de Deus, não há vida, não há presença de Deus, não há nada!

O SACERDÓCIO ATUAL

Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo
(1 Pedro 2:5).


Quando Pedro escreve aos destinatários de sua epístola: "Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo", fala do culto cristão tomando como exemplo o serviço sacerdotal levítico. Naqueles tempos antigos, os sacerdotes queimavam sobre o altar os sacrifícios que os israelitas ofereciam a Deus.

Hoje em dia todos os salvos são sacerdotes. Nossos sacrifícios são de tipo espiritual e abarcam aquilo que desejamos apresentar ao nosso Salvador com louvores, ações de graças e adoração. Ele Se alegra quando encontra em nosso coração uma resposta ao Seu grande amor e à entrega de Seu Filho na cruz.

Todos os dias, e em todos os momentos do dia podemos entregar a Deus a adoração que temos no coração. Podemos fazer isso tanto individual quanto coletivamente. Ao nos reunirmos, alguns irmãos propõem cânticos, outros fazem orações e outros ainda lêem textos da Bíblia. Assim o Espírito Santo conduz e dá expressão à adoração grupal. Mas, na verdade, a adoração propriamente dita é o que está no coração de cada redimido, e é isso o que conta para Deus.