segunda-feira, 6 de abril de 2015

TRIBULAÇÃO, SALVAÇÃO E GRATIDÃO

E invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás
 (Salmo 50:15).


Essas três coisas caminham juntas. É isso o que o Salmo 50 nos ensina. O dia da angústia não necessariamente significa uma provação externa, mas pode ser o momento em que nossa consciência é afligida com o peso do nosso próprio estado de perdição. Os que clamam a Deus nesse momento, em arrependimento, saberão por experiência que Deus "não está longe de cada um de nós" (Atos 17:27).

Anos atrás, um norte-americano me contou sua história de vida. Ele havia sido um piloto de avião na Segunda Guerra Mundial. Em uma batalha aérea sobre a Áustria seu avião pegou fogo.
"Quando percebi as chamas, um indescritível terror se apoderou de mim. Podia explodir a qualquer momento, e sabia que teria de enfrentar Deus, e não estava preparado. Em minha aflição, clamei a Deus por ajuda e prometi que o serviria se escapasse vivo. Deus ouviu minha oração. Meu paraquedas se abriu com sucesso. Eu fui feito prisioneiro e retornei para casa após a guerra. Porém, me esqueci totalmente da promessa que fiz e continuei vivendo como antes. Então certa noite fui convidado para uma reunião evangelística, e ali me lembrei da minha ingratidão. E me rendi ao Senhor."

Muitos também passaram pela mesma experiência deste homem. No entanto, ainda estão completamente mergulhados no pecado, vivendo para si mesmos, sem qualquer respeito pela salvação que receberam. Continuam "mortos em ofensas e pecados" (Efésios 2:1). Coitados, miseráveis pessoas que são!

SÍMBOLOS FRACOS E OBRA PERFEITA

Visto que temos um grande sumo sacerdote, Jesus, Filho de Deus, que penetrou nos céus, retenhamos firmemente a nossa confissão
(Hebreus 4:14).


Os símbolos do Antigo Testamento que apontam para Cristo e Sua obra da redenção revelam inúmeras fraquezas e falhas e jamais podiam aperfeiçoar quem quer que fosse. Em contraste com tais símbolos, a epístola aos Hebreus apresenta o caráter definitivo e singular da obra do Senhor Jesus Cristo em toda a sua perfeição. Igualmente perfeita é a posição do que crê, a qual depende somente da eficácia de Sua obra.

Cristo realizou uma redenção plena. A culpa do povo de Deus foi expiada inteiramente. Deus não lembrará dos pecados deles. Nem mesmo aqueles pecados permanecem na consciência de Seu povo; eles foram "purificados" (9:14). Pelo fato dos pecados dos crentes terem sido colocados sobre Cristo, e ele ter morrido para expiar o pecado, tais pecados nunca mais podem ser atribuídos aos filhos de Deus. Cristo, que os expiou, agora está no céu como Testemunha que Sua obra satisfez plenamente as exigências de Deus e a prova de que nosso débito de culpa foi pago. Portanto, o crente tem completa liberdade para se aproximar de Deus. Temos "ousadia para entrar no santuário, pelo sangue de Jesus" (Hebreus 10:19).

Qual é o propósito da função de Sumo Sacerdote exercida por Cristo? Não está relacionada propriamente com o pecado, mas como Sumo Sacerdote Cristo nos oferece a graça: ele quer nos ajudar a não pecar. Ele conhece nossas fraquezas, que em si mesmas não são pecado. Somos frágeis, porque o pecado ainda está dentro de nós e corremos o risco de cairmos quando o sofrimento ou a tentação atravessa nosso caminho. "Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno" (Hebreus 4:16).

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 2 REIS (Leia 2 Reis 20:1-11)

Ah! SENHOR! Sê servido de te lembrar de que andei diante de ti em verdade e com o coração perfeito e fiz o que era reto aos teus olhos. E chorou Ezequias muitíssimo
(2 Reis 20:3).


Uma segunda provação, mais terrível que primeira, aflige agora o rei. A morte bate à porta dele. Em sua angústia, dessa vez ele também se volta para o Senhor. Certamente não poderia entrar no santuário como costumava fazer, mas é sempre possível encontrar Deus, mesmo em um leito de enfermidade. Quantas pessoas acamadas têm tido essa abençoada experiência todos os dias!

Acaz, pai de Ezequias, rejeitou o sinal que o Senhor queria dar (Isaías 7:10-12). E no relógio de sol que mandou fazer, a hora do julgamento se aproximava rapidamente. Porém, aqui o fiel e piedoso rei recebe, além da cura, o mais extraordinário sinal. Ao retroceder a sombra, Deus lhe mostra que aceitou a petição para adiar a execução do castigo.

Muitos detalhes desta bela história nos fazem meditar, por meio de contrastes, no Senhor Jesus. No Salmo 102 temos a seguinte oração: "Deus meu, não me leves na metade de minha vida". A resposta do Pai é: "Tu, cujos anos se estendem por todas as gerações" (v. 24). Isaías anunciou que o rei seria curado no terceiro dia. Cristo realmente entrou na morte, e da mesma maneira, saiu dela no terceiro dia.

IRRECONHECÍVEL!

Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê
(Romanos 1:16).


Há alguns anos, houve na Nigéria uma eclosão de ataques fanáticos praticados por muçulmanos contra cristãos. Casas e edifícios foram incendiados. Uma multidão de cristãos se reuniu e os muçulmanos temeram retaliações. Porém, algo bem diferente aconteceu. Nos mesmos lugares destruídos pelos muçulmanos, os cristãos cantaram hinos de louvor e oraram a Deus pedindo que ele perdoasse os fanáticos. E também se declararam prontos a perdoá-los. Tal atitude era inconcebível para os muçulmanos. Um chefe tribal islâmico ficou tão surpreso e impressionado que pediu explicações para os cristãos e missionários locais.
Algum tempo depois, ele também se rendeu ao Senhor Jesus.

Esse desertor da fé islâmica sabia que a ira e a vingança dos membros de sua tribo contra ele era certa. Portanto, os reuniu e lhes disse: "Vocês podem me destituir, me expulsar, e até me matar. Eu não vou resistir. Mas não podem tirar minha fé em Cristo. Eu O conheci e ele é o que perdoa nossos pecados e nos torna capazes de perdoar os pecados dos outros também". Seu povo mal podia acreditar, pois aquele homem era tão dominante e, por vezes, cruel.

O evangelho é de fato o poder de Deus. Quem crê pode experimentar uma mudança radical, pois a mensagem da cruz é totalmente radical! Ela rompe todos os grilhões da religião, seja qual delas for, e toca onde só o Senhor Jesus pode tocar.

POR QUE DEUS PERMITE TAIS COISAS?

Receberemos o bem de Deus, e não receberíamos o mal?
(Jó 2:10).



Essa é uma pergunta comum. E quando as pessoas questionam, elas têm em mente as guerras, fomes, doenças, terrorismo, catástrofes naturais e outras coisas terríveis. Permita-me fazer outra pergunta: por que sempre vemos o lado negativo das coisas? Será que já pensamos sobre as coisas boas que Deus permite: saúde, emprego, geladeira cheia de comida, etc? Deus é obrigado a nos dar essas coisas? Ou ele o faz por sua bondade?

Imagine a vida em uma grande cidade. Quanta mentira, corrupção, perversão sexual e brutalidade Deus observou nas ultimas 24 horas? Isso não será desconsiderado. Como Deus reage? Ele mandou descer fogo do céu? Ele fechou a porta da graça, da reconciliação e do perdão? De jeito algum!  Os habitantes de tais cidades continuam a desfrutar dos dons de Deus, assim como nós. Mas quem se lembra de agradecê-Lo? Quem gasta um minuto para pensar no Doador de "toda a boa dádiva e todo o dom perfeito" (Tiago 1:17)?

Quando o sofrimento entra em nossa vida, o Nome de Deus de repente surge em nossos lábios só para questionarmos o porquê das coisas. Jó conhecia essa pergunta. Mas ele aceitou a bondade de Deus com gratidão. E ele não tirou Deus de seu sofrimento, mesmo não tendo recebido qualquer resposta por um longo período. A questão principal não é saber a razão dos sofrimentos humanos; é se render ao maior dom que Deus nos concedeu: seu amado Filho, pois ele é a resposta para todas os questionamentos.a

quarta-feira, 1 de abril de 2015

UM CONVITE MORTAL

A mulher louca é alvoroçadora? Assenta-se à porta? e põe-se a chamar aos que vão pelo caminho, e que passam reto pelas veredas, dizendo: Quem é simples, volte-se para cá. E aos faltos de entendimento ela diz:
As águas roubadas são doces, e o pão tomado às escondidas é agradável. Mas não sabem que ali estão os mortos; os seus convidados estão nas profundezas do inferno
(Provérbios 9:13-18).


A mídia de hoje se assemelha à mulher descrita acima. Ela busca capturar a atenção das pessoas, dizendo o que é "roubado" e "escondido", ou seja, todo tipo de pecado é agradável e doce. A cultura moderna tem tornado o pecado algo extremamente atraente e desejável.

A Bíblia afirma exatamente o oposto. Não podemos diluir as afirmações bíblicas. Em geral, o pecado não se apresenta de maneira repulsiva. Ele tem seu brilho e fascinação como uma flor venenosa, e por isso a maioria sucumbe à tentação e é enganada até cair no mais profundo abismo.

Seja cobiça, adultério, fornicação, mentira, justiça própria, etc, tudo o que é pecaminoso parece atrativo, mas endurece a consciência e o coração. Os "simples" e os "faltos de entendimento" não são as pessoas com limitações educacionais ou com as capacidades cognitivas reduzidas. Há muitos "faltos de entendimento" entre os maiores gênios da humanidade. Estão nessa categoria aqueles que aceitam o convite da "mulher alvoroçadora", ou seja, do sistema deste mundo, baseado no pecado e na rebelião contra Deus.

Quem se rende a isso se torna insensível à verdade divina e jamais conhece a vida eterna e a paz, pois a visão que têm de Deus é distorcida e religiosa.

Será que uma mentira se torna verdade só porque é agradável, bem divulgada, e porque a maioria crê nela? Será que Deus vai alterar seu veredito sobre o pecado só porque todos pecam? Não se iluda: os "convidados" do "engano do pecado" "estão nas profundezas do inferno" (Hebreus 3:13).

terça-feira, 31 de março de 2015

DEUS NOS ENCORAJA

O SENHOR, pois, é aquele que vai adiante de ti; ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará; não temas, nem te espantes.
Como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei nem te desampararei. Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o SENHOR teu Deus é contigo, por onde quer que andares
(Deuteronômio 31:8; Josué 1:5,9).


Você pode de fato a cada dia e em cada situação ser fortalecido pela leitura da Bí­blia? Ela de fato lhe ajuda a saber o que Deus tem a dizer sobre seus cuidados cotidianos?

Essa é uma pergunta bastante comum. As pessoas não conseguem entender que a Palavra de Deus é uma fonte poderosa de conforto e força. Mas será realista crer que podemos achar força nas palavras de Deus? Bem, será melhor ler o que a Bí­blia diz sobre as dificuldades.

Primeiro, os versí­culos de hoje tratam sobre o encorajamento a pessoas que estão prestes a enfrentar situações de mudança nas quais têm de tomar decisões cujas consequências não podem prever, e que percebem que a própria força é mí­nima diante da necessidade.

Segundo, esses versí­culos mostram que Deus está ciente da situação; conhece a fraqueza humana, e sabe que tipo de encorajamento é preciso.

Terceiro, aprendemos que Deus não delega a tarefa de nos encorajar a outros, pois estes podem desistir quando as coisas se tornam realmente difí­ceis. Deus jamais nos abandona! ele diz: "Eu estou contigo".
Quarto - e isso certamente fala conosco - ele, o Ajudador, irá nos guiar no caminho e estará conosco onde formos: Deus, o Poderoso, nosso Guia. Tudo o que temos de fazer é segui-Lo. O que mais podemos querer?
O encorajamento vindo de Deus é aplicável hoje e sempre.

segunda-feira, 30 de março de 2015

VOCÊ PODE CONFIRMAR O VERSÍCULO ACIMA?

Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto
(Salmo 32:1).


É nosso desejo que todos os que leram o versículo acima confirmem a verdade das palavras do salmista com convicção. Vamos perguntar a nos mesmos: temos a segurança que Deus não mais nos considera culpados e injustos? Isso é o que o segundo versículo do salmo afirma.

Podemos nos regozijar na Pessoa do Senhor Jesus Cristo com a segurança da salvação e genuína alegria? Se sim, somos de fato pessoas felizes na plenitude do que é felicidade. Mas quem não pode dizer isso de si mesmo não deve descansar até que encontre a salvação e a alegria em Cristo.

A segurança da salvação pode ser obtida apenas pela revelação da Palavra de Deus a você. Deus é justo e santo, e o pecado tem sua recompensa: a morte, a eterna separação de Deus. Mas porque o Senhor Jesus Cristo morreu no Calvário por causa de nossos pecados, Deus nos concede o perdão. Ele fez recair sobre seu Filho o castigo que nós merecíamos. O Senhor Jesus, o Cordeiro de Deus, é a "propiciação por nossos pecados" (1 João 2:2). Todos os que se colocaram sob a proteção de seu sangue podem afirmar isso, pois sabem que o Senhor Jesus morreu por eles.

Ninguém está excluído desse perdão! Apenas os que se recusam a aceitar as boas novas do evangelho excluem a si mesmos do amor de Deus. Se tantas pessoas não são salvas, inclusive aquelas que se dizem 'cristãs', é porque jamais se viram como pecadoras perdidos. Elas rejeitam a ideia de que necessitam de um Redentor e não creem nele.