terça-feira, 1 de abril de 2014

EM QUEM CONFIAR?

Não sejas sábio a teus próprios olhos.
Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia.
Guarda-me, ó Deus, porque em ti confio
(Provérbios 3:7; 1 Coríntios 10:12; Salmo 16:1).


A Bíblia nos convida a admirar a "paciência" de Jó (Tiago 5:11). Porém este homem "íntegro, reto e temente a Deus e desviava-se do mal" (Jó 1:1), mantinha em seu íntimo uma secreta satisfação sobre si mesmo. As provas, a miséria, a doença e as injustas insinuações de seus próprios amigos lhe sobrevieram. Por fim, Jó perdeu a paciência. Exasperado, proclamou suas boas obras e a perfeição de sua conduta. Então Deus se revelou a ele, primeiro por meio de um mensageiro fiel, Eliú, e depois pessoalmente. Nesse contato com Deus, Jó aprendeu não apenas a conhecer melhor a Deus, mas a conhecer seu próprio coração (42:4-5). Ele descobriu que todo bem vem do Senhor (Jó 38:4-41). Assim ele passou da confiança em si mesmo à total confiança em Deus.

A história de Davi e Golias (1 Samuel 17) nos ensina coisas profundas acerca disso. O gigante, muito seguro de sua força, desafiava a todos a competir com ele. O jovem Davi, muito seguro de sua fraqueza, confiava humildemente em Deus. E mesmo com a funda na mão, não colocava sua confiança nela, pois disse a Golias: "Tu vens a mim com espada, e com lança, e com escudo; porém eu venho a ti em nome do Senhor dos Exércitos" (v. 45).

A confiança em si mesmo pode nos tornar campeões orgulhosos, mas a confiança em Deus nos torna mais que vencedores.

segunda-feira, 31 de março de 2014

DESEJAR UMA CASA

Até o pardal encontrou casa, e a andorinha ninho para si, onde ponha seus filhos.
Na casa de meu Pai há muitas moradas? E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo
(Salmo 84:3; João 14:2-3).


Um desejo universal que supera todas as culturas e épocas é o de ter uma casa, um lar. Normalmente a casa é um lugar de segurança e intimidade, onde as pessoas se sentem acolhidas e bem-vindas. Quando os que habitam uma casa estão em paz com Deus, então esse lar desempenha um grande papel, pois ali o Senhor Jesus é amado e honrado. Ali orações são feitas e respondidas.

Esse desejo por um lar reflete outro mais profundo e também universal: um lugar de descanso para nossa alma! Nosso ser, tão inquieto e agitado, anseia por uma tranquilidade perene e verdadeira. E tal local existe: é a casa de Deus. Algumas horas antes de deixar Seus discípulos, o Senhor Jesus lhes falou sobre a casa do Pai, e Ele não estava falando sobre um local físico, material, mas sobre a presença de Deus, um ambiente espiritual onde há amor e plenitude.

O caminho para a casa de Deus é um só: o próprio Senhor Jesus. Só por Ele podemos conhecer a Deus como nosso Pai. Sem crermos no Senhor Jesus não podemos entrar na casa de Seu Pai. Para os que crêem nEle, viver na intimidade do Pai, desfrutar de Seu amor e de Sua paz é algo possível e real. É parte da herança dos filhos de Deus.

sábado, 29 de março de 2014

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 1 REIS (Leia 1 Reis 16:8-28)

Estando eles excitados, lhes darei a sua bebida e os embriagarei, para que andem saltando; mas dormirão um perpétuo sono e não acordarão
(Jeremias 51:39).


O filho de Baasa reina sobre Israel por dois anos. Seu único ato registrado foi: "Achava-se Elá em Tirza, bebendo e embriagando-se" (v. 9). Esse rei era controlado por uma só paixão, a escravidão ao álcool, assim como milhões de infelizes hoje. O ser humano acredita ser capaz de controlar seus semelhantes, quando não é nem mesmo capaz de dominar as paixões de seu próprio coração. O livro de Provérbios contém as palavras de um jovem rei chamado Lemuel. Ele relembra o que sua mãe lhe ensinou: "Não é próprio dos reis, ó Lemuel, não é próprio dos reis beber vinho" (Provérbios 31:4; 23:20, 31-32; Efésios 5:18). Em um instante, sem se dar conta, ele passa da embriaguez para a morte. Da mesma maneira, as pessoas deste mundo procuram esquecer os problemas nos prazeres do pecado, e então, sem estar preparadas, se acham mergulhadas na perdição eterna.

Sete dias bastaram para Zinri, o assassino de Ela, mostrar que caminhava pelo caminho de Jeroboão! Seu fim não foi menos terrível; ele cometeu suicídio! Onri toma o poder, constrói Samaria, porém age pior que seus predecessores. Que densas trevas caem sobre o reinado de Israel!

sexta-feira, 28 de março de 2014

ENCONTRAR JESUS

Ah! quem me dera um que me ouvisse!
Um homem chamado Zaqueu? procurava ver quem era Jesus.
Ora, havia alguns gregos, entre os que tinham subido a adorar no dia da festa. Estes, pois, dirigiram-se a Filipe? e rogaram-lhe, dizendo: Senhor, queríamos ver a Jesus
(Jó 31:35; Lucas 19:2-3; João 12:20-21).


Talvez você seja uma pessoa que deseja se encontrar com Jesus Cristo para falar com Ele, ver como Ele é e saber se o que dizem acerca dEle é verdade.
Mas por que você quer vê-Lo face a face? Qual a sua motivação? Seria para prová-Lo e saber se o que a Bíblia relata corresponde à realidade? O Senhor Jesus é Deus, e não pode ser julgado pelo homem. É por curiosidade? Cristo não veio para satisfazê-la.
Seja como for, o próprio Senhor Jesus deseja ter um encontro com você. Quantas vezes em sua vida, por meio de circunstâncias boas e ruins, Ele já lhe chamou! Talvez você não tenha entendido o convite, talvez você tenha rejeitado esse encontro; mas o fato é que as palavras que o Senhor Jesus falou a Zaqueu são as mesmas que Ele lhe diz: "Hoje me convém pousar em tua casa" (Lucas 19:5-6).
Ele queria apenas ver o Senhor Jesus; no entanto, o resultado desse encontro mudou a vida de Zaqueu radicalmente, e para sempre. Você pode ter pensado muita coisa, porém jamais a imaginação humana pode prever as fantásticas consequências de se encontrar com o Filho do Deus vivo, o Príncipe da paz, o Senhor e Salvador Jesus Cristo!

POR QUE OS GANSOS VOAM EM FORMAÇÃO "V"?

Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal? Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram; sede unânimes entre vós
(Romanos 12:10, 15-16).


Você já teve a oportunidade de contemplar o surpreendente espetáculo do vôo dos gansos? Juntos desenham um imenso V e parecem ser um só, por causa da harmonia maravilhosa de seus movimentos. A maneira de voar deles não somente é bonita, mas também eficaz. O bater de asas de cada ganso cria um movimento de ar útil para o companheiro que está um pouco atrás. Assim o bando se desloca muito mais rápido e mais longe que se um ganso voasse sozinho. O ganso que vai à frente tem a tarefa mais difícil. Esse lugar é ocupado por revezamento, de modo que o bando percorre grandes distâncias sem parar. Que solidariedade! Até se cogita que o constante vozerio do bando serve para encorajar os mais fracos. Se um ganso está cansado, outro o acompanha até o solo e o espera descansar para juntos poderem voltar a voar. Essa notável cooperação contribui especialmente para a sobrevivência e bem-estar de todos.

Para nós, cristãos, o que está à frente, nosso Guia e Pastor, é o Senhor Jesus. Mas ao contrario do ganso, Ele jamais se cansa. Ele ordena que nos amemos uns aos outros com amor verdadeiro, prático e solícito. Com o apoio de meus irmãos cristãos posso ir mais longe e mais rápido que se fosse sozinho. Os esforços que faço confiando no Senhor Jesus e dependendo dEle são uma ajuda para a família da fé. A vida cristã é um andar, uma carreira e um vôo coletivo até Aquele que nos precedeu na glória: o Senhor Jesus!

RECONHECER QUE HÁ UM CRIADOR

Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu
(Romanos 1:21).


O famoso escritor e filósofo francês Voltaire declarou: "O universo me perturba, e não posso pensar que este relógio exista sem que não haja um relojoeiro".

É compreensível o incômodo do filósofo. Ele excluiu Deus de sua vida e, portanto, o mundo era um enigma para ele. Contudo, lhe parecia que o universo, tão cuidadosamente organizado, não podia ser fruto do acaso. Infelizmente essa linha de pensamento não conduziu Voltaire à presença do Criador!

Mediante a criação, Deus nos fala. O mundo físico no qual vivemos é um testemunho do poder de Deus e também de Sua bondade, porque colocou o homem em condições totalmente favoráveis de vida. Mas Deus foi mais além e Se revelou diretamente. Vindo ao mundo, Jesus Cristo demonstrou na plenitude o amor de Deus, que quer nos salvar, mesmo quando nos afastamos dEle.

A brilhante inteligência de Voltaire não lhe permitiu conhecer o autor do universo. Nossas faculdades intelectuais apenas não nos levarão a Deus. Jesus Cristo, ao se tornar como nós, veio nos dizer que Ele é mais que o Criador: tudo o que fez é a manifestação de um amor sem medidas nem limites. E o que o "Relojoeiro" deseja é que participemos desse amor pela fé nEle.

VIOLÊNCIA

Com o benigno te mostrarás benigno; e com o homem sincero te mostrarás sincero; com o puro te mostrarás puro; e com o perverso te mostrarás indomável
(Salmo 18:25-26).


Este versículo nos diz que em certas ocasiões Deus nos faz refletir sobre nós mesmos, nossas atitudes e motivações. Sabemos por experiência que nossas ações geram reações parecidas; por exemplo, quando somos gentis em geral as pessoas também são gentis conosco.

A violência física foi e tem sido aplicada inclusive sobre milhões de criaturas que ainda se encontram no ventre de suas mães. A violência emocional assola crianças e jovens, que sofrem com palavras duras e amaldiçoadoras, com divórcio ou rejeição dos pais. A violênciamoral nos envolve através da indústria do entretenimento, que perverte os valores morais até o ponto de que "ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas" (Isaías 5:20). Tudo isso é legalizado, aceito e defendido.

Com razão nos indignamos contra os autores de atos bárbaros de violência como assassinatos, maltrato e abuso sexual de mulheres e crianças, terrorismo, etc. No entanto, será que nós, chamados filhos de Deus, percebemos que quando nos irritamos e falamos mal de alguém, mesmo que seja verdade, estamos agindo violentamente contra nosso próximo (Tiago 1:19; Efésios 4:31; Romanos 1:29; Tiago 5:20; 1 Pedro 4:8)? É claro que os criminosos serão julgados, mas nosso Pai celeste também irá julgar nossos "pequenos" atos de violência.

A AMIZADE DO MUNDO

Não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus
(Tiago 4:4).


É preciso ler o capítulo 4 de Gênesis para discernir os princípios morais de nosso mundo. Caim matou seu irmão Abel e foi expulso da presença de Deus. Por causa do juízo divino teve de ser "fugitivo e vagabundo na terra" (v. 12). Porém ele não aceitou tal palavra, e construiu uma cidade na qual colocou o nome de seu filho, com o propósito de perpetuar a grandeza de sua família. Um de seus descendentes se dedicou à criação de animais. Outro inventou instrumentos musicais e um terceiro trabalhou com metais. Em outras palavras, os homens formaram seu mundo, tratando de viver como bem entendiam, e de serem felizes longe de Deus.

Quando Cristo veio, o estado moral do homem foi colocado em destaque. Apesar da grandeza da bondade de Deus, o homem não quer pensar em Deus para não ser perturbado na busca pelos prazeres; tampouco quer se submeter à autoridade de outro, inclusive e sobretudo à divina, se tornando, por natureza, inimigo de Deus. O ser humano quer conquistar o mundo para si mesmo.

Desejar ser reconhecido neste mundo ou achar satisfação nele é esquecer o que é o mundo, ou melhor, o sistema maligno que o controla, que crucificou o Filho de Deus. E esquecer também da declaração de vitória do Senhor Jesus: "Eu venci o mundo" (João 16:33). Por isso a amizade do mundo é inimizade contra Deus. Mas o incompreensível é que Deus tenha amado o mundo "de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna" (João 3:16).